Voltar para o Blog

Tecnologia na educação: Escolas e famílias aliadas para promover o uso equilibrado de dispositivos eletrônicos entre jovens

A influência da tecnologia na educação

Não é novidade o quanto a tecnologia na educação: vem moldando a rotina da população em diferentes esferas. Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostrou que o Brasil possui mais de dois dispositivos digitais por habitante, incluindo smartphones, tablets, computadores e notebooks, sendo 424 milhões de aparelhos em uso.

Esse cenário instiga uma ampla discussão, inclusive no âmbito educacional, a qual insere os dispositivos eletrônicos como aliados no contexto da aprendizagem quando utilizados de maneira consciente.

Os benefícios da tecnologia na educação

A pandemia acelerou, e muito, o uso dos recursos digitais nas escolas. Com a necessidade de um formato de “educação emergencial” que possibilitasse o distanciamento social, a educação teve que se reinventar e integrar mais tecnologia em seu cotidiano. A maioria das instituições de ensino, inclusive, migrou para as plataformas de aprendizado online, atendendo a necessidade de manter o distanciamento social.

Com essas mudanças, ficaram ainda mais nítidos os benefícios que os dispositivos eletrônicos podem trazer para a aprendizagem dos estudantes. Mobilidade, flexibilidade e desenvolvimento de habilidades digitais, são algumas das vantagens.

A escolha da melhor tela e os desafios eminentes

Atualmente, existem diferentes tipos de dispositivos eletrônicos e cabe à escola orientar os estudantes para que eles aprendam a escolher o melhor tipo de tela, e, se necessário, a instituição e a família podem ajudar indicando o formato mais adequado. Essa seleção deve levar em consideração, o tipo de atividade proposta, a faixa etária do estudante, bem como os recursos disponíveis. Tópicos como mobilidade, ergonomia, usabilidade, conexão e possibilidades de interação também impactam na hora de decidir a melhor tela a utilizar.

Apesar dos diversos benefícios, o uso exacerbado da tecnologia pode corroborar para problemas de saúde associados, como prejuízos ao sono, além de desafios que incluem distrações, redução da concentração e o debate quanto à segurança online dos jovens.

O estabelecimento de uma rotina consciente

Independente do uso da tecnologia digital, estabelecer uma rotina de estudo não é uma tarefa fácil para os estudantes. Nesse sentido, é crucial que as famílias estabeleçam horários específicos para o estudo e, que ao usar a tecnologia, ajudem a selecionar aplicativos que potencializem o aprendizado.

É crucial, ainda, ensinar sobre o equilíbrio entre o tempo on-line e off-line, apoiando o estudante no desenvolvimento de habilidades críticas para discernir conteúdos e interações virtuais.

Por fim, a forma mais eficiente de se utilizar o celular é com orientação, educação para o uso e combinados claros. É muito importante estabelecer espaços de segurança, negociar regras e garantir momentos de desconexão. Convidar os filhos para o diálogo, oferecendo a possibilidade de decidirem juntos as responsabilidades, pode ser efetivo no processo.

Savina Allodi
Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental da unidade de São Paulo da Rede de Colégios Santa Marcelina