O COLÉGIO

AGENDE
SUA VISITA

Aqui, seu filho terá acesso a uma formação completa e integral, que respeita sua vocação, unindo excelência pedagógica com valores humanos. Venha nos conhecer de perto!

VALORES

CAPACITANDO PARA A CIDADANIA

Educamos para a solidariedade, honestidade, justiça e pleno exercício da cidadania. Os valores que embasam as nossas escolhas, decisões e ações:

Carisma

Cuidado

Comunhão

Compromisso

Competência

MISSÃO

UM LUGAR DE ENCONTRO E DIÁLOGO

Com inspiração cristocêntrica e mariana, nos firmamos na confiança, na verdade e no respeito mútuo. Nossa missão é transformar a sociedade à luz do Evangelho, tendo a ciência como instrumento e meio para formação do ser humano em sua totalidade.

MISSÃO

NOSSA HISTÓRIA

Desde 1912, quando o Instituto Marcelinas fundou seu primeiro colégio no Brasil, nossa rede de ensino não para de crescer, oferecendo uma educação de excelência conectada aos sinais dos tempos e priorizando a formação integral do estudante fundamentada em valores cristãos. Com uma proposta educacional completa, nossos estudantes enfrentarão com sucesso os desafios do presente e do futuro.

1912

The Marcelline Sisters arrived in Brazil

1912

Foundation of Santa Marcelina School - Botucatu/SP

1927

Foundation of Santa Marcelina School - São Paulo/SP

1927

Foundation of Santa Marcelina School - Muriaé/MG

1929

Foundation of Santa Marcelina College - Perdizes - São Paulo/SP - Brazil

1938

Foundation of Santa Marcelina School - Piraí do Sul/PR

1939

Foundation of Santa Marcelina School - Rio de Janeiro/RJ

1952

Foundation of Santa Marcelina School - Belo Horizonte/MG

1961

Foundation of Santa Marcelina College - Muriaé/MG

1989

Foundation of Santa Marcelina Social Work - São Sebastião do Passé/BA

1991

Foundation of Santa Marcelina Children's Center - Terra Nova, BA

1997

Foundation of Social Work Madre Marina Videmari - Botucatu/SP

1999

Foundation of Santa Marcelina College - Itaquera - São Paulo/SP

2009

Foundation of Santa Marcelina School - Palmas/TO

2012

100 years of Marcellin's presence in Brazil

1912

Chegada das Irmãs Marcelinas no Brasil

1912

Fundação Colégio Santa Marcelina - Botucatu/SP

1927

Fundação Colégio Santa Marcelina - São Paulo/SP

1927

Fundação Colégio Santa Marcelina - Muriaé/MG

1929

Fundação Faculdade Santa Marcelina - Perdizes - São Paulo/SP

1938

Fundação Colégio Santa Marcelina - Piraí do Sul/PR

1939

Fundação Colégio Santa Marcelina - Rio de Janeiro/RJ

1952

Fundação Colégio Santa Marcelina - Belo Horizonte/MG

1961

Fundação Faculdade Santa Marcelina - Muriaé/MG

1989

Fundação Obra Social Santa Marcelina - São Sebastião do Passé/BA

1991

Fundação Centro do Menor Santa Marcelina - Terra Nova/BA

1997

Fundação Obra Social Madre Marina Videmari - Botucatu/SP

1999

Fundação Faculdade Santa Marcelina - Itaquera - São Paulo/SP

2009

Fundação Colégio Santa Marcelina - Palmas/TO

2012

100 anos da presença Marcelina no Brasil

PROTAGONISTAS DA NOSSA HISTÓRIA

Nascido em Vignate, Milão, em 1801, foi um sacerdote exemplar, sempre fiel à Cristo e à Igreja. Diretor espiritual nos Seminários da Diocese milanesa, instruiu e guiou os jovens que lhe foram confiados, cuidando de suas mentes e corações. Doutor e vice-prefeito da Biblioteca Ambrosiana, dedicou seus estudos a serviço da fé. Foi um grande educador do séc. XIX, incentivou a juventude a abraçar a causa do Evangelho, da Cultura, da Igreja e da Pátria. Biraghi percebeu a demanda da educação feminina da época e buscou transformar a sociedade por meio da educação cristã e acadêmica da mulher, capacitando-a a dar uma resposta adequada às exigências culturais e científicas da modernidade. Faleceu em Milão, em 1879. Foi beatificado no dia 30 de abril de 2006, no Duomo de Milão.

Marcelina nasceu em Roma, no século IV, por volta do ano 327, durante o império de Constantino Magno, em um período de muita corrupção e desigualdades sociais. Neste cenário devastador, sentiu fortemente em seu coração o desejo sincero de consagrar-se a Deus através de uma vida simples e totalmente dedicada aos pobres e sofredores. 
Certa de sua decisão, Marcelina, aos 25 anos, em plena mocidade, força e beleza, na noite de Natal do ano de 353, recebeu das mãos do Papa Libério o véu da consagração total. A sua mensagem foi acolhida também por outras jovens da nobreza que, como ela, durante toda a vida, viveram os ensinamentos do Senhor, dedicadas à oração e às boas obras. 
Em 374, Ambrósio foi aclamado pelo povo como Bispo de Milão e Marcelina não hesitou em acompanhá-lo à sede milanesa, fortalecendo-o na luta em defesa da justiça e da fé. Marcelina morreu em 397, aos 70 anos, poucos meses depois de seu irmão Ambrósio. Foi sepultada em Milão, aclamada pelo povo como santa, na Basílica de Santo Ambrósio.

Ambrósio, irmão mais jovem de Marcelina e Sátiro, nasceu em 340. Foi governador das províncias do norte da Itália e, inesperadamente, aclamado Bispo de Milão em 374. Reconhecido como homem de profunda fé e de uma sólida formação cultural e religiosa, tornou-se exemplo de bispo, pastor e licurgo. Ao longo de sua vida, dedicou-se à educação da fé cristã, por meio da vivência do mistério de Cristo, celebrado na liturgia. 
Reconhecido pela igreja ocidental como um importante guia espiritual, soube, de forma primorosa, transmitir também a riqueza da tradição oriental, influenciando todo o mundo latino. Em uma época de grandes dificuldades e transformações, sua flexibilidade litúrgica o tornou símbolo de liberdade e de pacificação. 
Suas obras e comentários sobre as Escrituras e os tratados ascéticos-morais tornaram-se memoráveis documentos da arte de ensinar e governar. Foi considerado pai da liturgia ambrosiana. Faleceu em 397 e seu corpo encontra-se na Basílica de Santo Ambrósio, em Milão.

Nasceu em Treves, em 337. Sob os cuidados de Marcelina, sua irmã mais velha, terminou os estudos literários e jurídicos e inscreveu-se para ser um advogado curial, já demonstrando sinais incontestáveis de sua dedicação e compaixão ao próximo, que mais tarde tornariam-se o seu legado. Começou a peregrinar pelas províncias do Império Romano até que seu irmão Ambrósio foi consagrado Bispo, chamando-o à Milão, junto com Marcelina, para ajudá-lo nessa importante missão. Sátiro renunciou à carreira e se colocou à disposição, tornando-se sábio e caridoso administrador dos bens eclesiásticos, sempre dedicado a socorrer os mais necessitados. 
Voltando de uma arriscada viagem à África, naufragou e foi obrigado a deter-se em Roma, gravemente doente. Durante a viagem de volta, recebeu o Batismo e a Eucaristia e, desejoso de reunir-se aos irmãos, voltou à Milão, onde morreu assistido por Marcelina e Ambrósio, em 379.

Nasceu em Milão, em 1812, e, desde jovem, pensou em consagrar-se inteiramente a Deus. Ardente e generosa na busca da vontade de Deus, disse sim à proposta de Monsenhor Luigi Biraghi, “disposta a tudo, com a graça do Senhor”, que a queria como colaboradora para seu empenhativo projeto apostólico de fundação das Marcelinas.
M
adre Marina Videmari, levada pela caridade de Cristo, foi animadora incansável das Irmãs e alunas nos vários Colégios da Itália e da França. Terna e forte, firme e bondosa, profundamente piedosa, soube dar às Marcelinas um estilo de simplicidade e de família, com uma característica inconfundível de serena solidez. “Coragem”, foi sua última palavra. Morreu em Milão, em 1891.

Maria Anna Sala foi uma das primeiras alunas da recém-fundada escola das Irmãs Marcelinas, em Vimercate, em 1848. Acolhida pela Madre Marina Videmari, rapidamente compreendeu que seu ideal e sua missão deveriam ser a formação das jovens na escola e na família.
Irmã Maria Anna santificou-se por sua total fidelidade ao carisma da Congregação que escolhera viver, destacando-se pela vida exemplar e dedicação aos estudos. De sua vida, brotam três grandes ensinamentos, vividos por todas na congregação: a necessidade da formação de um bom caráter, firme, sensível e equilibrado; o valor santificante do compromisso com o dever designado pela obediência; e a importância essencial da missão educativa. 
Sua pedagogia, inspirada pelo direcionamento espiritual de Beato Biraghi, resume-se em estar junto às jovens em cada momento e circunstância, participando do seu cotidiano, na sala de aula, na capela, no refeitório, no recreio e até no dormitório. Maria Anna Sala nasceu em 1829 e faleceu em 1891.

Nossa Senhora apareceu à Irmã Elisabetta Redaelli, religiosa Marcelina, em Cernusco, próximo a Milão, onde a jovem irmã estava muito debilitada e prostrada por terríveis dores. Na noite do dia 6 de janeiro de 1924, a irmã foi visitada por uma linda senhora que prometeu voltar, dizendo: “Reza, confia e espera. Eu voltarei”.
Semanas se passaram. Era o dia 22 de fevereiro e todos já esperavam pelo seu falecimento, quando Irmã Elisabetta recebeu novamente a visita da linda senhora. Somente neste momento ela reconheceu que era a Virgem Maria com o Menino Jesus que chorava em seus braços. Nossa Senhora, então, deixou uma missão à Irmã Elisabetta, curada milagrosamente naquela noite: “Tu deves anunciar esta mensagem a todos: Jesus chora porque não é bastante amado, procurado e desejado, também pelas pessoas que lhe são consagradas”.

Beato Luigi Biragui

Nascido em Vignate, Milão, em 1801, foi um sacerdote exemplar, sempre fiel à Cristo e à Igreja. Diretor espiritual nos Seminários da Diocese milanesa, instruiu e guiou os jovens que lhe foram confiados, cuidando de suas mentes e corações. Doutor e vice-prefeito da Biblioteca Ambrosiana, dedicou seus estudos a serviço da fé. Foi um grande educador do séc. XIX, incentivou a juventude a abraçar a causa do Evangelho, da Cultura, da Igreja e da Pátria. Biraghi percebeu a demanda da educação feminina da época e buscou transformar a sociedade por meio da educação cristã e acadêmica da mulher, capacitando-a a dar uma resposta adequada às exigências culturais e científicas da modernidade. Faleceu em Milão, em 1879. Foi beatificado no dia 30 de abril de 2006, no Duomo de Milão.

Santa Marcelina

Marcelina nasceu em Roma, no século IV, por volta do ano 327, durante o império de Constantino Magno, em um período de muita corrupção e desigualdades sociais. Neste cenário devastador, sentiu fortemente em seu coração o desejo sincero de consagrar-se a Deus através de uma vida simples e totalmente dedicada aos pobres e sofredores. 
Certa de sua decisão, Marcelina, aos 25 anos, em plena mocidade, força e beleza, na noite de Natal do ano de 353, recebeu das mãos do Papa Libério o véu da consagração total. A sua mensagem foi acolhida também por outras jovens da nobreza que, como ela, durante toda a vida, viveram os ensinamentos do Senhor, dedicadas à oração e às boas obras. 
Em 374, Ambrósio foi aclamado pelo povo como Bispo de Milão e Marcelina não hesitou em acompanhá-lo à sede milanesa, fortalecendo-o na luta em defesa da justiça e da fé. Marcelina morreu em 397, aos 70 anos, poucos meses depois de seu irmão Ambrósio. Foi sepultada em Milão, aclamada pelo povo como santa, na Basílica de Santo Ambrósio.

Santo Ambrósio

Ambrósio, irmão mais jovem de Marcelina e Sátiro, nasceu em 340. Foi governador das províncias do norte da Itália e, inesperadamente, aclamado Bispo de Milão em 374. Reconhecido como homem de profunda fé e de uma sólida formação cultural e religiosa, tornou-se exemplo de bispo, pastor e licurgo. Ao longo de sua vida, dedicou-se à educação da fé cristã, por meio da vivência do mistério de Cristo, celebrado na liturgia. 
Reconhecido pela igreja ocidental como um importante guia espiritual, soube, de forma primorosa, transmitir também a riqueza da tradição oriental, influenciando todo o mundo latino. Em uma época de grandes dificuldades e transformações, sua flexibilidade litúrgica o tornou símbolo de liberdade e de pacificação. 
Suas obras e comentários sobre as Escrituras e os tratados ascéticos-morais tornaram-se memoráveis documentos da arte de ensinar e governar. Foi considerado pai da liturgia ambrosiana. Faleceu em 397 e seu corpo encontra-se na Basílica de Santo Ambrósio, em Milão.

São Sátiro

Nasceu em Treves, em 337. Sob os cuidados de Marcelina, sua irmã mais velha, terminou os estudos literários e jurídicos e inscreveu-se para ser um advogado curial, já demonstrando sinais incontestáveis de sua dedicação e compaixão ao próximo, que mais tarde tornariam-se o seu legado. Começou a peregrinar pelas províncias do Império Romano até que seu irmão Ambrósio foi consagrado Bispo, chamando-o à Milão, junto com Marcelina, para ajudá-lo nessa importante missão. Sátiro renunciou à carreira e se colocou à disposição, tornando-se sábio e caridoso administrador dos bens eclesiásticos, sempre dedicado a socorrer os mais necessitados. 
Voltando de uma arriscada viagem à África, naufragou e foi obrigado a deter-se em Roma, gravemente doente. Durante a viagem de volta, recebeu o Batismo e a Eucaristia e, desejoso de reunir-se aos irmãos, voltou à Milão, onde morreu assistido por Marcelina e Ambrósio, em 379.

Madre Marina
Videmari

Nasceu em Milão, em 1812, e, desde jovem, pensou em consagrar-se inteiramente a Deus. Ardente e generosa na busca da vontade de Deus, disse sim à proposta de Monsenhor Luigi Biraghi, “disposta a tudo, com a graça do Senhor”, que a queria como colaboradora para seu empenhativo projeto apostólico de fundação das Marcelinas.
M
adre Marina Videmari, levada pela caridade de Cristo, foi animadora incansável das Irmãs e alunas nos vários Colégios da Itália e da França. Terna e forte, firme e bondosa, profundamente piedosa, soube dar às Marcelinas um estilo de simplicidade e de família, com uma característica inconfundível de serena solidez. “Coragem”, foi sua última palavra. Morreu em Milão, em 1891.

Beata Maria
Anna Sala

Maria Anna Sala foi uma das primeiras alunas da recém-fundada escola das Irmãs Marcelinas, em Vimercate, em 1848. Acolhida pela Madre Marina Videmari, rapidamente compreendeu que seu ideal e sua missão deveriam ser a formação das jovens na escola e na família.
Irmã Maria Anna santificou-se por sua total fidelidade ao carisma da Congregação que escolhera viver, destacando-se pela vida exemplar e dedicação aos estudos. De sua vida, brotam três grandes ensinamentos, vividos por todas na congregação: a necessidade da formação de um bom caráter, firme, sensível e equilibrado; o valor santificante do compromisso com o dever designado pela obediência; e a importância essencial da missão educativa. 
Sua pedagogia, inspirada pelo direcionamento espiritual de Beato Biraghi, resume-se em estar junto às jovens em cada momento e circunstância, participando do seu cotidiano, na sala de aula, na capela, no refeitório, no recreio e até no dormitório. Maria Anna Sala nasceu em 1829 e faleceu em 1891.

Nossa Senhora do
Divino Pranto

Nossa Senhora apareceu à Irmã Elisabetta Redaelli, religiosa Marcelina, em Cernusco, próximo a Milão, onde a jovem irmã estava muito debilitada e prostrada por terríveis dores. Na noite do dia 6 de janeiro de 1924, a irmã foi visitada por uma linda senhora que prometeu voltar, dizendo: “Reza, confia e espera. Eu voltarei”.
Semanas se passaram. Era o dia 22 de fevereiro e todos já esperavam pelo seu falecimento, quando Irmã Elisabetta recebeu novamente a visita da linda senhora. Somente neste momento ela reconheceu que era a Virgem Maria com o Menino Jesus que chorava em seus braços. Nossa Senhora, então, deixou uma missão à Irmã Elisabetta, curada milagrosamente naquela noite: “Tu deves anunciar esta mensagem a todos: Jesus chora porque não é bastante amado, procurado e desejado, também pelas pessoas que lhe são consagradas”.

TOUR VIRTUAL